terça-feira, 9 de junho de 2015


O POEMA DAS CORREÇÕES 

Corrija-me se eu estiver errado,
se eu estiver blefando, se eu
estiver mentindo, se eu estiver
endereçando às paredes

minhas teorias conspiratórias;
corrija-me se faço de terceiros
bezerros de ouro, bodes
expiatórios,

corrija-me se agora falo
umas verdades que só enuncio
quando bêbado, que só
reverberam quando eu,

sombrio, ponho tudo 
a perder.

Nenhum comentário: