domingo, 31 de maio de 2015


A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA (MISTER SANDMAN)

Tento acordar dos pesadelos.
Tento dormir, ter pesadelos, mas 
o placebo mais acerbo é uma 
piada de mau gosto 

que não faz dormir nem
se põe a despertar quem 
já não quer dormir ou 
o acordar 

em leitos paliativos (possíveis 
pasárgadas se não minto). 

                    *
O placebo mais acerbo é 
uma pirâmide autocrática 
que determina base 
e topo: 

se travesseiro de pedra, se 
do conversível o estofo 

(será administrado ao
corpo em óbito, como de 
hábito, novo placebo
luminoso).

terça-feira, 19 de maio de 2015


MEU PRETO

"e se eu introduzisse um taxímetro em meu peito,
hein, meu preto?", "cobrasse pela mobilização dos
cinco ou seis sentidos, minha querida?"

"porque é um tal de aproximam se afastam
sem órgão regulador, encargos contratuais...
e se nos tornássemos mais técnicos,
mais profissionais? 

porque nos chegam de supetão e 
sem convites, aos berros ou mímicas,
como aborígines, sem galardões que 

os justifiquem em nossas vidas e 
quando percebemos já não há risco de faca 
que forje linhas divisórias, fronteiras,
comarcas" 

"que graça há nisso, ó, 
                                 minha clara?"

sexta-feira, 15 de maio de 2015


SÍTIO ARQUEOLÓGICO

Lascar pedras
construir abrigos antinucleares 
com garrafas pet
e a sagacidade

de quem se 
adapta, opto pela ritalina
consumida à revelia
do imaginário em

teatrinhos teratológicos
(vulgar armário)