terça-feira, 23 de setembro de 2008

PETER PÚBERE

Doravante

a mesma cabeça pensante
e invariavelmente a mesma
proposta instigadora, por mais
que variem de rótulos, de ardis
as filiais da matriz.

Doravante

de nada seremos precursores,
ainda que nossas novidades
tenham características elementares
de mares nunca dantes
.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

ENTRE RIOS, BA - 1999

No mundo de Valdomiro
(um amontoado de vultos
ou convenção de vampiros)
cumpro um papel definitivo:
ser aquele que perdeu as presas
na ladeira que espreguiçava
e não logrou recuperar-se
na inspeção do dia seguinte.
SANGUE E AZO

Sorte que tantos autores
lavem as mãos; que o luto
escancarado seja o light
e que as lágrimas aqui vertidas
estejam uma categoria acima
da excreção. Sorte que tantos
autores sejam nulos; que tanta
omnisciência não sirva, que o
venal e o banal

venham de uma rajada
para não ferir de morte
a morte ensimesmada.

Sorte que elejo o enxuto
no meu elogio e elegia, certo
que a higiene e as letras
serão univitelinas. Me
divorcio das sarnas, desapego
das pulgas; miro na saraivada
de lamúrias e disparo. E

nem bolinar as estrelas ou
burilar corações invisíveis
a esta símile se igualam.
MORAL DA ESBÓRNIA

O alce malsão
(nem mau nem bom)
falou e disse uma

abobrinha (uma tolice)
à avestruz
mal comida:

“A necessidade de comunicação
confunde-se, de antemão,
com a falta do que dizer.”

Após, publicou
e registrou nas ruínas
de uma alameda

noturna.

O ALCE MALSÃO

Temporada de caça ao receptor,
este alce malsão que o emissor
renega, esta raça, este alien mas

eu não tenho licença. Quando
muito, um projétil varonil alojado
no útero é a única distinção
que em mim resta

mas vos oferto mais esta.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

REPASTO

Ambos
e framboesa.

Sonhos
à milanesa.

Sirva-me
um pedaço

de êxtase:
anestesia.

sábado, 6 de setembro de 2008

DICOTOMIA REVISITADA

A vida, ensimesmada,
não constitui vantagem
para o ser vivente.

A morte, livre de egos,
é indiferente aos que nela
se agarram e aos que dela

se desprendem.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

UM QUIMERISTA

Um quimerista, Fábio,
só cultua o indispensável
e nada presta.

Um quimerista, Marqui,
só cultua o imprestável:
nada compensa.

Um quimerista, Ortega,
só cultua o impossível
e nada alcança.

Um quimerista, creio,
garatuja o desengano
e não se encontra.

terça-feira, 2 de setembro de 2008


MICKEY MOUSE

A volta ao mundo
em um playground.
Ser viajor

é carregar
planetas na mochila,
é vomitar

fluência e
pantomimas

qual Mickey
Mouse.